Translate

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O Planeta Júpiter por um binóculo.

Binóculos são excelentes ferramentas para observação astronômica.
Com eles podemos observar muitos objetos de céu profundo, dentre eles aglomerados abertos, globulares, galáxias e algumas nebulosas. Podemos também observar objetos do sistema solar, planetas e a Lua.

NUNCA OBSERVE O SOL COM EQUIPAMENTOS ÓPTICOS, A NÃO SER QUE ESTEJA NA COMPANHIA DE  UM ASTRÔNOMO PROFISSIONAL. Observar o  Sol sem os cuidados necessários pode causar cegueira imediata e irreversível. Chapas de pulmão, vidros de garrafa escura, filme de máquina fotográfica não bloqueiam os raios nocivos.

Após muitas noites com céu encoberto, hoje tivemos um bom céu nesta madrugada o que possibilitou fazer alguns desenhos.
Mas desta vez optei por usar um binóculo ao invés do telescópio. Assim os leitores poderão ter uma ideia de como fica um planeta pelas lentes de um binóculo, chamado, carinhosamente, de "bino".

Os alvos desta noite foram Júpiter e as Plêiades, um planeta e um aglomerado aberto, porém neste post de hoje vou tratar apenas do planeta Júpiter.

Júpiter e as suas luas galileanas no campo de visão de um binóculo 8x56.


O planeta Júpiter é o maior planeta do sistema solar, brilha forte no céu noturno e é bem fácil de localizar.

Você pode aprender a localizar Júpiter ou qualquer outro planeta utilizando um software que simula o céu noturno. Um simulador de céu muito bom e leve é o  Stellarium.
Outra forma de localizar Júpiter é seguir os ensinamentos do site momento astronômico/júpiter.

Júpiter se localiza após o planeta Marte, entre o cinturão de asteróides e o planeta Saturno e dista mais ou menos 620 milhões de quilômetros de distância da Terra.

Em 1610, Galileu Galilei observou Júpiter pela primeira vez adaptando uma luneta criada pelos holandeses para a guerra ( que não era muito mais "potente" do que o binóculo usado por mim para o desenho de hoje) . Galileu percebeu, ao apontar a luneta para Júpiter, que ao lado do planeta haviam 4 pequenos pontos brilhantes. Galileu então, observou  sistematicamente o planeta  e rascunhou Júpiter e os 4 pontos usando seu telescópio.
Após diversas observações Galileu percebeu que os 4 pequenos pontos mudavam de posição  em relação á Júpiter a cada noite de observação.
O cientista estudou seus registros e concluiu que aqueles 4 pontos eram luas que giravam em torno do planeta. Estas 4 luas são chamadas, modernamente, de luas galileanas.
Pronto! Galileu acabara de achar uma prova que nem tudo no universo girava em torno da Terra.
As anotações de Galileu referente à Júpíter e suas luas viraram um livro famoso o Siderius Nuncius.


 O livro Siderius Nuncius e a nova descoberta criaram um impacto enorme à época e ia de encontro aos ideais geocentristas aristotélico da igreja católica, que afirmava que tudo no universo girava em torno da Terra.
Porém em épocas de inquisição não era muito saudável defender esses tipos de idéias.
Após insistentes pedidos papais frustrados para que Galileu negasse o que descobriu, ele acabou sendo julgado pela santa inquisição.
O cientista foi julgado e condenado  a prisão domiciliar perpétua, pois ele, no último segundo, se retratou perante o tribunal, caso contrário seria morto da mesma forma que morreu Giordano Bruno, queimado.
Galileu continuou suas pesquisas em sua residência-prisão. Morreu cego e pobre.


Mas por qual motivo eu contei essa História toda? Pelo simples fato de que as imagens vistas por Galileu, em seu rudimentar telescópio, eram bem parecidas com a imagem que representei hoje observando Júpiter por um binóculo 8x56.

Abaixo temos o desenho do planeta Júpiter visto através de um binóculo 8x56:

Astrodesenho planeta Júpiter e suas 4 luas galileanas.

Para saber mais:

Ouça aqui o que o Professor João Steiner tem a dizer sobre a descoberta de Galileu Galilei.

Júpiter

5 comentários:

Fabio disse...

Muito bom....

Janine Milward disse...

muito bom! parabéns!

-Müller- disse...

CONGRATULAÇÕES EFUSIVAS!

Grande iniciativa em registrar as observações desta maneira, quando iniciei no hobby li o MANUAL DO ASTRONOMO AMADOR do JEAN NICOLINI, e ele como era 'das antigas' foi muito enfático quando falou no valor do registro que fosse possivel por parte do amador, na importancia disto até como uma 'retroalimentação' para dar um fundamento e continuidade ao hobby, no que eu concordei plenamente e por isto passei a fazer sempre meus registros e postar em algum lugar pela rede ( atualmente em http://astronomia.atspace.co.uk )

além de que neste tipo de trabalho o autor realmente perdeu tempo OBSERVANDO, e analisando, até meditando a respeito do que viu e aprendeu, ao invés de passar toda a sessão em tentativas muitas vezes infrutiferas de fazer algumas fotos com material inadequado, com resultados repetitivos, e sem um aproveitamento adequado da verdadeira 'magia' da observação astronomica amadora...
PARABÉNS !!!
meu e-mail uraniburgo@hotmail.com

Unknown disse...

Amigo, boa tarde!
Soube que vcs tem um grupo de observacão astronomica em SP. De que lugar vcs são? Pode me enviar mais informações? E-mail bruno_vlm@hotmail.com

Abcs

Star Rider disse...

Obrigado, Fábio , Muller, Janine e Bruno. Bruno, infelizmente não temos grupo de observação oficializado aqui em São Paulo. Existem alguns grupos de Astronomia na cidade de São Paulo, mas são grupos voltados à teoria e pesquisa e um deles voltado quase que exclusivamente para divulgação em escolas. Tem um grupo em Campinas que se reúne com certa frequência na Lua nova de cada mês. O site deles é http://www.asterportal.org/ . Entre em contato com eles para saber as formas de participar dos encontros. Eu participo quando posso e afirmo que é muito legal. abraços